Colégio Alternativo

Justiça nega pedido de adiamento do Enem para todos os inscritos

04/11/2016 às 18:37

Fonte: G1

 
 
A Justiça Federal do Ceará recusou o pedido encaminhado por um procurador e manteve para este fim de semana a realização do Enem para os candidatos que não foram afetados pelas ocupações de escolas. Cento e noventa e um mil candidatos só vão fazer as provas nos dias 3 e 4 de dezembro. E isso aumentou muito os motivos de preocupação para eles.
 
Meses, às vezes anos de preparo. Fins de semana sacrificados, férias. Os alunos de uma escola abriram mão de muita coisa só para se dedicar ao Enem, e não gostaram nada de saber que agora vão ter concorrentes com mais tempo de estudos do que eles.
 
“Concurso é concurso. Ele tem que começar junto e ele tem que terminar todo mundo junto. Trata-se de um coletivo”, diz Maria Júlia.
“Eu acho que tem diferença, sim. Esse pessoal que vai fazer uma prova um mês depois, eles têm mais esse tempo todo para fazer mais um intensivão para esta prova”, afirma Alan Andrade.
O Enem tem quatro provas objetivas e uma de redação. Com o adiamento só para parte dos estudantes, serão dois exames  diferentes no mesmo ano.
“Se o objetivo é medir o conhecimento das pessoas, como você vai botar igualdade em duas provas diferentes? Dois pesos e duas medidas? Mesmo que a correção seja pelas mesmas pessoas, da mesma forma, não fica igual”, questiona Yure Monteiro.
O diretor acadêmico de um colégio diz que tecnicamente não há vantagem para quem faz as provas objetivas depois. Ele explica que, com método de correção das provas, chamado de Teoria de Resposta ao Item, TRI, é possível comparar a nota de dois estudantes que fizeram duas edições diferentes do Enem.
 
“A TRI vai avaliar a coerência do resultado, avalia outros quesitos que não são apenas percentual de acerto e qual questão que acertou, qual questão que errou. Leva-se em consideração quais questões foram acertadas. Dificuldade das erradas também”, diz  Fellipe Rossi, professor e vice-diretor acadêmico do curso.
 
Já na redação, ele diz que os resultados são mais difíceis de se comparar: “Pode ser que o tema seja mais favorável para um candidato e menos favorável para outros. Ou seja, significa que talvez o tema da prova de novembro seja favorável para algumas pessoas e para outras pessoas, o tema da prova de dezembro seja muito melhor.”
 
É uma questão com muitos ângulos. Para quem vai fazer agora também é a chance de liquidar a fatura, Não pensar mais nisso. Para quem vai fazer depois tem que saber lidar com o tempo.
 
Esse quase um mês a mais pode servir para estudar, se preparar melhor, mas pode virar um tormento por causa da ansiedade, da espera. O certo é que o adiamento vai ser um problema para quem vai coincidir a data do Enem com formatura e vestibular.
 
Em nove estados e no Distrito Federal 11 universidades têm vestibulares nos mesmos dias do Enem em dezembro. No Rio de Janeiro, o exame é uma semana depois da prova da Uerj.
 
Raphaela Selruya vai tentar medicina na universidade e não sabe como vai conseguir estudar para provas tão diferentes ao mesmo tempo.
 
“São provas completamente diferentes. O Enem aborda tudo. São questões objetivas, e a Uerj é medicina. Biologia, química, português e depois a redação. Sendo que é tudo muito específico”, afirma a estudante.
 
Uma outra Rafaella tem mais um problema. O Enem para ela, agora, vai ser bem no dia da festa de formatura do ensino médio, marcada há mais de um ano.
 
“Geralmente festa de formatura começa tarde e acabam muito mais tarde e eu não teria como dormir direito neste dia. Eu me senti prejudicada porque comprometeu um evento muito importante para mim”, lamenta Rafaella Chueke.
 
O Ministério da Educação disse que que os candidatos não seram prejudicads por ter dois exames em datas diferentes.
 
"Do ponto de vista técnico, as provas são absolutamente equivalentes tanto as que serão realizadas neste final de semana, como as de dezembro, então isso revela ainda mais tranquilidade para os alunos que farão Enem neste final de semana ou no início de dezembro", diz Mendonça Filho, ministro da Educação.
 
“A gente agora tem que dançar conforme a música. Nem se sentir injustiçado porque está fazendo aprova agora e também não se sentir injustiçado porque a prova foi adiada”, diz Fellipe Rossi.
 

(66) 3520-3300
Rua dos Cajueiros, 1040 - Sinop/MT
CEP: 78550-330

Copyright ©2021 - Todos os direitos reservados.

DÚVIDAS?

NÓS LIGAMOS PRA VOCÊ!
Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!